Só não se perca ao entrar no meu infinito particular...

Só não se perca ao entrar no meu infinito particular...

domingo, 7 de fevereiro de 2010


Eu nunca usei esta palavra. Eu dizia que eu “gostava” de você... que eu sentia”saudade” de você...que eu “precisava” de você...que eu “não conseguia viver sem você”...mas não era amor.

Trecho da peça “Old Saybrook”